terça-feira, 27 de abril de 2010

farelos para uns, cacos para outros




o descaso do acaso
abandona farelos
que pra pés sem chinelos
são como cacos

um passo errado
o vermelho é certo
antes um sonho disperso
depois um pesadelo caro

para um distraído
não existe errado
tampouco o certo
apenas vidros
:
objetos intrometidos
e indelicados


Foto: Ines

Um comentário:

Francisco Jamess disse...

você rima muito melhor do que eu rimava.

agora faço versos livres. não que os seus sejam presos, longe disso.

gostei daqui =]